Topo do site Topo do site
Conteudo

Blog AlimentarumNotícias e novidades

Voltar
28/03/2016

A legislação sanitária estabelece que água potável deve ser utilizada na manipulação de alimentos. Inclui-se aí, o gelo para o consumo humano, um detalhe, muitas vezes, esquecido pelos estabelecimentos de alimentos.

Da mesma forma que os alimentos em geral, o gelo precisa ser manipulado e estocado sob condições sanitárias satisfatórias que evite sua contaminação. O gelo deve ser inodoro, insípido, sem nenhuma sujidade, parasitas e larvas.

Microrganismos patogênicos e os parasitas podem ser transmitidos por meio da água e, consequentemente, pelo gelo. Por isso, é importante utilizar água tratada ou, quando não for possível, conhecer a qualidade da água que está sendo utilizada.

Alguns restaurantes e supermercados optam por fabricar o próprio gelo, pois existem, no mercado, máquinas com capacidade adequadas a demanda de cada estabelecimento.

As principais vantagens em fabricá-lo são: ter o produto disponível na quantidade necessária e menor necessidade de espaço na câmara de armazenamento.

Quando a água utilizada na fabricação do gelo não for tratada pela rede pública, mas obtida de soluções alternativas de abastecimento como mina, poço artesiano ou caminhão pipa, a potabilidade da água deve ser atestada semestralmente mediante laudos laboratoriais, sem prejuízo de outras exigências previstas em legislação específica.  Assim, se o estabelecimento utilizar água de poço e optar por fabricar o próprio gelo, deve responsabilizar-se pelas análises.

As águas de poços, minas e outras fontes alternativas só devem ser usadas desde que não exista risco de contaminação (fossa, lixo, pocilga) e quando submetidas a tratamento de desinfecção. Após a desinfecção da água deve ser realizada análise bacteriológica em laboratório próprio ou terceirizado. A utilização de sistema alternativo de abastecimento de água deve ser comunicada à Autoridade Sanitária.

Mesmo quando se usa água tratada, esta pode ser contaminada com terra, poeira, fezes de animais e insetos, se a caixa d’água do estabelecimento não for mantida conservada, tampada, sem rachaduras, vazamentos, infiltrações e descascamentos, devendo ser lavada e desinfetada no mínimo a cada seis meses.